Translate

sexta-feira, 3 de maio de 2013

KROW - Traces of the trade - ALBUM - 00007


Krow é uma banda de death metal formada em 2006, nascida no triângulo mineiro para o orgulho nacional!
Destaque absoluto no metal nacional, essa banda é Krow! Conheci a banda há pouco tempo, e se eu achasse a banda ruim ou fraca, não perderia meu tempo fazendo uma resenha mesmo que fossem meus melhores amigos. Mas quando ganhei o CD deles o que me chamou atenção mesmo antes de ouvir foi o capricho com a arte do CD, pode esperar algo bem especial, agonizante e aflitiva muito bem feita com detalhes em verniz que é embalado com um slipcase, a arte da capa foi feita pelo artista conhecido Costin Chiorianu (que já trabalhou com bandas como Grave, Dark Throne, Demonical, Running Wild, Ava Inferi).
Esse é o terceiro album completo da banda, "Traces of the trade" foi lançado em 2012 e foi considerado o melhor lançamento de 2012 em muitos meios de comunicação importantes.

A banda tem um EP e mais dois albuns completo além do Traces of the trade, ainda não ouvi os outros, mas a vontade de conhecer é gigante, pois pra mim o Krow é um banda de nível alto que merece todo o respeito e apoio. E sabe o que torna uma banda especial? Não é só a música, e sim também o profissionalismo e seriedade. Existem muitas bandas que fazem um puta som, mas gravam sem qualidade, não investem em nada e ficam esperando as coisas acontecerem. Não estou falando de imagem não! Estou falando de capricho, de fazer as coisas direito, de se dedicar ao máximo, como os caras visivelmente fazem.
Foi colocar o CD pra rodar e me impressionar com o grave do vocal bem próximo a Chris Barnes, guitarras cortantes, bateria demolidora, baixo tenebroso. Falando música por música, todas muito bem trabalhadas, bom gosto nas composições de riffs, solos com originalidade demonstrando uma mistura de influências incrível!
O resumo é um festival de técnicas sem ser chato, alguns grooves como um toque especial, sem arrastar e sem exceder a velocidade, no ponto certo e do jeito exato.
Neste album a banda demonstra um death metal interessante, as músicas não são repetitivas com acontecem com algumas bandas, a qualidade é individual por música, a faixa que abre o CD é a Eidolon uma das mais demolidoras e devastadoras do CD, a faixa dois é a que carrega o título do disco, "Traces of the trade" tem traços de thrash metal, claro que um thrash violento e agressivo. Uma das minhas favoritas é a faixa 6 Hazardouls punishiment", extremamente violenta daquelas que colam na cabeça com riff, vocal e tudo, essa faixa emenda com a faixa 7 que conta com um "momento percursão" arrastado típico ritual indígena macabro. Logo em seguida o começo da faixa 8 o riff de entrada chama para a desgraça (no bom sentido), os backing vocals dessa música são muito bem encaixados bem esganado e saturado, essa faixa conta com a participação do baixista Allvaro Lillo da banda sueca Watain. A faixa 9 também merece destaque, puro death metal no melhor exemplo, bateria no blast beat intenso e violento, guitarra nas palhetadas corridas, cortantes na melhor agressividade a última faixa que fecha com chave de ouro, refrão marcante daqueles que todo o público em show canta, excelente trabalho.
Fico muito feliz quando conheço bandas com tanto potencial como o Krow, e sabemos que isso não acontece todo dia, pra mim foi uma surpresa, não esperava metade do que a banda representa.
Não é porque o death metal é um dos meus estilos preferidos que elogio esta banda, mas sim por que ela faz por merecer, quando faço uma resenha tento analisar como musica e como os músicos representam, é só ouvir e conferir e tire suas conclusões. Pra mim já está na minha estante como um dos meus favoritos.

Formação:
Vocal / Guitarra - Guilherme Miranda
Guitarra - Lucas "The Carcass"
Baixo - Humberto Costa
Bateria - jhoka Ribeiro

Links e contato:
Site:  www.krowmetalzone.com
Para contactar a banda diretamente:
krow@krowmetalzone.com
Fone: 55 (34) 9135-9808




1 comentários:

dj atari disse...

boa banda foda d+

Lembre-se que a minha opinião não é a dona da razão, cada um tem um gosto diferente, e temos que respeitar as diferenças.